Nota dez em superação

novembro 23, 2009

Duas escolas de Joinville tornam-se exemplos com ações que estão vencendo a violência em nome da cidadania

Palavrão, tapa na cara, vandalismo e ameaça não deveriam ser parte da rotina de escolas. Mas, de algumas, são. Que o digam alunos e professores da Escola Estadual Higino Aguiar, em Araquari. Dias depois de se trancarem nas salas com medo das ameaças de agressão com correntes, eles encontraram salas depredadas e banheiros imundos. A ação era resultado de vandalismo. De gente que, às vezes, nem aluno é. Mas, de algum jeito, está ligado àquele colégio. É difícil, mas tem jeito. Bons exemplos não estão longe. Escolas estaduais como a Marli Maria de Souza e a Nagib Zattar, de Joinville, passaram por maus bocados há três, quatro anos. Estão se reerguendo com uma receita aparentemente simples: participação da comunidade. Também lançaram mão de ações como ter regras claras para alunos, tratá-los com carinho e ter vigilância privada 24 horas. “A mudança começa quando o aluno percebe que a escola é parte do seu cotidiano. E quando vizinhos, pais e professores adotam a escola, cuidam como se fosse sua”, diz a doutora em educação Maria Madalena Martins. Mas como fazer isso em uma escola com baixo rendimento, em que os problemas estão, também, fora dos portões? “Disciplina, diálogo e persistência. Uma mudança dessa dura anos”, diz a professora. Mariza Scholz, diretora de um dos maiores colégios públicos de Joinville, o Maria Marli de Souza, no Jardim Edilene, concorda. Ela chegou em 2006 – foi a quarta diretora daquele ano. A escola – e o bairro recém tinham passado por uma força-tarefa do Ministério Público, polícia e Juizado da Infância e da Juventude. Meses antes, gangues apavoravam dentro e fora da escola. “Tomavam banho na caixa d’água, furtavam. Toda segunda-feira eu ia fazer um boletim de ocorrência (BO)”. No bairro Jardim Paraíso, na escola Nagib Zattar, gangues “informais” também tocavam o terror dentro da escola, entre 2006 e 2008. A quadra era constantemente pichada, havia consumo de drogas no pátio. A escola foi assaltada mais de uma vez. Até computadores foram levados. Uma morte chegou a ocorrer no ginásio, num final de semana. Tudo isso reflete, claro, nos estudos. Nenhuma dessas escolas jamais alcançou a média de Joinville das notas do Enem (exame nacional do ensino médio). Da última avaliação (2008), a Higino Aguiar é justamente a pior. Fica baixo até da média de Araquari, que já não é alta. 

O QUE MUDOU

Escola: Nagib Zattar.

Bairro: Jardim Paraíso – zona Norte.

 Alunos: 1,2 mil.

20/5/2007 No ginásio da escola, no fim de semana, Roberto dos Santos, 17, morreu com um tiro na cabeça. A discussão ocorreu causa de um boné.

24/5/2007 A estudante Daiane Marques de Oliveira morreu quando tentou defender a mãe, Maria Rosa de Lima Rodrigues. A menina levou uma facada no coração.

28/5/2008 Um grupo de professores alertou para o clima pesado na escola. Alunos estariam sendo ameaçados de morte.

AS AÇÕES NA ESCOLA 1. Discute as regras com pais e alunos.

2. Trata os alunos com respeito e limite, mas sem esquecer o carinho.

3. Controla quem entra e sai na escola.

 4. Criou cursos técnicos, que aumentaram o interesse dos alunos. Antes, os que queriam fazer vestibular não chegavam a 10%. Hoje, quase metade dos alunos têm essa meta.

 5. Para evitar que alunos do período noturno pulem janelas no intervalo e saiam da escola, passaram a ocupar as salas do 2º andar.

 6. O cigarro foi proibido.

 7. O conselho comunitário ganhou força e hoje interfere nas decisões da escola.

8. A direção estimula os alunos a entregarem as brigas antes que elas aconteçam, para que se busque uma solução em conjunto, sem violência.

9. Vigilância privada 24 horas.

10. Presença constante da Polícia Militar.

RODRIGO STÜPP – A Notícia 23 de novembro de 2009

Abreijos                                           Jaisson Rodrigo Schulter Blau


Sob nova direção

novembro 17, 2009

Muito bom dia amigos do Blog do Paraíso, meu nome é Jaisson Rodrigo Schulter Blau e a partir de hoje estou assumindo juntamente com duas amigas, a Mayara Fabiane Generoso Wahrmeister e Alessandra Inês Kürten Boing, as rédeas do nosso Blog do Paraíso, pois como mencionado aqui em baixo, nossa querida amiga Priscila Noernberg não pode mais tocar o blog, e a gente sentindo a necessidade de mais atenção para com o bairro, decidimos, então, assumir o blog e tentar fazer a nossa parte para mudar essa má fama que nosso tão querido bairro, adquiriu ao longo dos últimos anos.

Bem, agora vou contar um pouco da minha história aqui no Paraíso, tenho 15 anos e sempre morei aqui, ah três anos, na minha 7 ª série, venho me envolvendo com projetos no bairro, o primeiro foi quando eu fui convidado a participar de uma oficina de texto que era promovida pelo IELUSC, essa oficina tinha a duração de um fim de semana, foi cansativo mais valeu muito a pena, além desta oficina, participeis de outras duas com a mesma carga horária, foi ai que me convidaram para começar a ajudar no Jornal do Paraíso, dessa proposta vieram outras como participar de oficinas de foto que iria ser realizada com um fotografo do ANotícia o Pena Filho, e uma outra que era a oficina de Video-Participação, claro que eu aceitei na hora. A oficina de vídeo foi realizada em 2008, onde me envolvi ainda mais com a causa de mudar essa fama, e hoje estou aqui e espero que esteja por muito mais tempo aqui postando e ajudando o Paraíso. Lembrem-se, este blog não é meu não é da Alessandra e nem da Mayara, ele é de todos nós, que amamos esse bairro.

 

Abreijos                                                                                                                                                                                                                Jaisson Rodrigo Schulter Blau


Sob nova direção

outubro 27, 2009

Caros leitores!

Devido alguns problemas, o Blog do Paraíso não foi atualizado nos últimos meses. A iniciativa do veículo nasceu em uma disciplina do Curso de Jornalismo e, como projeto experimental, deveria seguir pelas mãos dos moradores do Jardim Paraíso. Mas como ninguém se manifestou e, eu (Priscila Noernberg), comecei a trabalhar em outro lugar, não pude continuar atualizando.

Contudo, o projeto de uma simples acadêmica parece que vai dar certo! A partir dessa semana, estarei apenas em um pano de fundo bem distante. Em breve, jovens do Paraíso vão assumir o blog e dar sequência ao projeto. Peço desculpas, um pouco mais de paciência e a colaboração de quem quiser escrever, publicar fotos, vídeos ou outras coisas nesse espaço! Vocês estão em casa!

Dê sua opinião sobre o Jardim Paraíso e, é claro, não esqueçam nunca do Jornal do Paraíso.

Aguardem, em breve, novas notícias sobre um dos bairros mais aconchegantes de Joinville!

Até!

Priscila Noernberg


Alfabetização através de lendas e cantigas

janeiro 3, 2009
Alunos aprendem com as lendas

Alunos aprendem com as lendas

O projeto Histórias e Costumes, que teve inicio no mês de agosto, foi encerrado no dia 5 de dezembro. A proposta foi criada pelas professoras da escola municipal Dr. Hans Dieter Schimidt: Daiza, Suzana, Andréa, Jane e pela auxiliar de direção, Carla Ropelato. O projeto tinha como objetivo alfabetizar os alunos através de lendas e cantigas antigas infantis como: Boi da cara preta, Mula sem cabeça, lobisomem.

A idéia surgiu através de uma reunião pedagógica onde foi optado por cada série criar um projeto. Depois de fazer outra reunião as professoras de 1ª série resolveram criar um projeto que falasse de folclore brasileiro, daí surgiu o projeto Histórias e Costumes.
“As crianças aprovaram, pois eles puderam aprender um pouco mais sobre as histórias ou lendas que eles já conheciam”, diz a professora Suzana. O objetivo foi alcançado e o projeto encerrado com apresentações feitas pelos alunos.

*foto e texto de Alessandra Boeing


I Mostra de Vídeo do Jardim Paraíso será em 1º de dezembro*

novembro 28, 2008

As seis oficinas propostas pelo projeto de Vídeo-Participação no Jardim Paraíso chegaram ao final. O resultado foi a produção de 10 curtas-metragens que participarão da primeira Mostra de Vídeo do bairro. O evento será realizado no dia 1º de dezembro, às 19h00, no galpão da Igreja São Domingos Sávio, Av. Plutão, 155. Além dos vídeos, também haverá apresentações culturais de grupos locais.

As produções, em sua maioria, abordam temas presentes no cotidiano dos 84 jovens e adolescentes moradores do Jardim Paraíso que participaram da iniciativa. O projeto foi aprovado no Edital de Apoio às Artes de 2008, do Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (Simdec), da Fundação Cultural de Joinville, e conta com o apoio do Curso de Comunicação Social do Bom Jesus/Ielusc e da Unidade de Saúde da Família Jardim Paraíso II. Na coordenação do projeto participaram o jornalista Juciano Lacerda, proponente do projeto, a enfermeira Sueli Castanha e a médica Martha Artilheiro, idealizadoras da proposta. As oficinas foram ministradas pela jornalista e professora telejornalismo Roberta Meyer Veiga. Cinco alunos do Jornalismo do Bom Jesus/Ielusc atuaram no projeto, dois deles como bolsistas.

Os dez curtas

Somente a verdade – Os adolescentes apresentam a opinião de moradores, do Conselho de Segurança (Conseg) e da polícia sobre questões da segurança no bairro, desconstruindo o mito de que o Jardim Paraíso seria o lugar mais violento de Joinville (Documentário – Dur. 4min30s).

Conhecendo o Aeroporto O curta apresenta o curioso passatempo dos moradores do Jardim Paraíso, passar o fim de tarde na cabeceira da pista do aeroporto de Joinville, observando a saída dos aviões. A maioria deles nunca pôs os pés no saguão do aeroporto (Doc. – Dur. 2min10s)

Os dois lados da vida – O paralelo entre a vida de jovens de classe média e de classe pobre, que se encontram na disputa de um festival de música (Ficção – Dur. 6min26s).

A História do Areião – Como forma de questionar o pequeno número de áreas de lazer do Jardim Paraíso, os adolescentes e jovens contam a história do campo de futebol de areia do bairro (Doc. – Dur. 5min33s).

As conquistas do Paraíso – O vídeo resgata todas as melhorias que já foram conquistadas pelos moradores do bairro, que alavancaram, principalmente, a qualidade de vida dos jovens e adolescentes (Doc. – Dur. 5min24s).

O morro do Timbé – A extração mineral no morro do Timbé, no Jardim Paraíso, é uma atividade que põe em risco a qualidade de vida dos moradores e ameaça as nascentes de água do bairro. População quer transformar área em parque ambiental (Doc. – Dur. 3min45s).

Gravidez na Adolescência – Com depoimentos de mães-adolescentes, o vídeo apresenta os riscos o problema da gravidez na adolescência, no bairro, e os métodos anti-conceptivos (Doc. – Dur. 5min).

A Vila Cubatão – O fantasma da iminente ampliação do Aeroporto de Jonville é um dilema para os moradores da Vila Cubatão, que não podem melhorar suas moradias e sofrem com a falta de estrutura local (Doc. – Dur. 4min22s).

A história do bairro – O Jardim Paraíso tem muitos problemas, mas moradores antigos e novos constróem uma história cotidiana que evidencia a vontade de permanecer e lutar pelo seu lugar (Doc. – Dur. 4min46s).

A grande jogada – Entre o sonho e a realidade, adolescentes mostram a força de lutar por seus ideais em conjunto (Docu-ficção – Dur. 2min16s).

Continuidade das produções

Do grupo de participantes das oficinas, 23 ouviram palestra do jornalista e realizador Edson Burg sobre a importância do aproveitamento de recursos financeiros disponibilizados pelo Governo Municipal para custear produções audiovisuais. Burg teve o projeto do curta-metragem “Incomunicável” aprovado em 2006 pelo 2º Edital de Apoio às Artes, realizado pela Fundação Cultual de Joinville. Esse mesmo grupo de 23 adolescentes assumirá uma sala na Associação de Moradores do Jardim Paraíso (Amopar), que será um núcleo de produção audiovisual do bairro. Eles serão responsáveis pela reserva de materiais, produção e edição de vídeos e já pensam novas produções para 2009. O grupo visita neste dia 28 de novembro as instalações da TV RBS em Joinville.

* Texto de Juciano de Lacerda.


Uma novela sem final

novembro 13, 2008
Unidade de Saúde 3

Unidade de Saúde 3

A situação da Unidade de Saúde Paraíso 3 está longe de acabar. Hoje na reunião do Conselho Comunitário a notícia revoltou. Há 1 ano e 2 meses os pacientes atendidos pela Equipe Estratégia da Saúde 3 precisam se deslocar cerca de 1,5 km até a Unidade de Saúde 5. A chegar ao prédio, o problema se agrava, pois é preciso subir escadas.

Em março, o Jornal do Paraíso fez uma matéria cobrando uma solução que, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, viria em, no máximo, quarenta dias. Há alguns meses o Conselho Local de Saúde vem pressionando o poder público, que estava alugando uma casa para ser adaptada. Hoje veio a resposta: o inquilino não desocupará o imóvel.

Não é preciso fazer muitas divagações sobre a hipocrisia da prefeitura – é obvio que até o final do ano o problema não será resolvido. Enquanto isso, os moradores continuam sofrendo.


Mostra de Vídeo-participação acontece no dia 1 de dezembro

novembro 11, 2008

A “I Mostra de Vídeo-participação do Jardim Paraíso”, mudou de data. O evento acontecerá no dia 1° de dezembro, às 19h, no galpão da Igreja São Domingos Sávio, na avenida Plutão. Além das exibições dos curtas produzidos pelos adolescentes do projeto Oficinas de Vídeo-participação, haverá outras apresentações culturais. A entrada é gratuita.